15 Mai: Os princípios da câmera fotográfica

aula 15 maioNesta aula, começamos com uma brincadeira de adivinhação. Afinal de contas, o que é Distancia focal? Grande angular? Teleobjetiva? Enquadramento? Foco? Para descobrirmos as respostas cada aluno recebeu em mãos uma palavra referente ao universo da fotografia. Em posse dessas palavras, eles mesmos tiveram de explicá-las.E agora? O que é esse tal de diafragma?

Vamos relembrar e fazer um “tour” pelos principais conceitos do mundo fotográfico, analisar de perto a câmera, nossa grande companheira nessa empreitada.

 

 

Vamos ao que interessa! O que é…

FOCO?

É um mecanismo da objetiva que mantém um ou mais objetos nítidos e bem definidos na imagem, quando isso acontece, dizemos que o “objeto está em foco”. Para ajustarmos o foco é necessário ter dimensão de dois elementos que caracterizam cada objetiva (as objetivas terão variadas qualidades), são eles: a distância focal e a profundidade de campo.

 

flor em foco

Na imagem, vemos a flor , em primeiro plano, com maior nitidez e definição. Ao fundo vemos apenas o borrão de uma outra flor que está “fora de foco”

 

DISTÂNCIA FOCAL:

A distância focal é, junto com a abertura do diafragma, uma das mais importantes características de uma objetiva. É a partir dela que o usuário que o fotógrafo  define, por exemplo, a maior ou menor aproximação de uma imagem, ou ainda escolhe o campo de visão que deseja trabalhar. Quanto maior for a distância focal, menor será o ângulo de visão da imagem e maior será a aproximação dos objetos focalizados. Ao aumentarmos a distância focal, também “achatamos” a imagem, fazendo com que objetos que estejam em uma mesma linha de visão, mas distantes entre si pareçam mais próximos. Todas as objetivas recebem classificações como grande angular, normal e tele objetiva, e quase todas elas podem ser do tipo macro, permitindo uma focalização de objetos mais próximos ou não.

PROFUNDIDADE DE CAMPO:

Em óptica, profundidade de campo é um efeito que descreve até que ponto objetos que estão mais ou menos perto do ponto de foco aparentam estar nítidos. Regra geral: quanto menor for a abertura do diafragma/íris (maior o valor f/x), para uma mesma distância do objecto fotografado, maior será a distância do plano de foco a que os objetos podem estar enquanto permanecem nítidos. Deve-se salientar que só pode existir um ponto focalizado, e a profundidade de campo gera uma impressão de focalização nos elementos contidos em diversos planos. Na imagem abaixo vemos a mesma flor fotografada com menor e maior profundidade de campo, repare que na primeira conseguir ver o fundo (que está em segundo plano), já na segunda foto o fundo está totalmente desfocado.

profundidade de campoVer mais em:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Profundidade_de_campowww.dicasdefotografia.com.br/como-tirar-fotos-bem-focadas

 COMPOSIÇÂO:

Não confundir composição com enquadramento, eles andam juntos, mas não podemos confundir. A composição na fotografia, é justamente como o fotógrafo (a) vai organizar os elementos  dentro do seu quadro antes do click. Em pouco tempo temos de pensar na proporção dos elementos (objetos ou pessoas), nas linhas, na textura, no efeito de volume, nas formas… em poucos segundos, pensamos nisso tudo, todos esses elementos caracterizam a composição da foto. A composição na fotografia obedece à algumas regras das artes plásticas como a regra dos terços e a perspectiva geométrica. No vídeo abaixo, Pedro Barreiros nos dá algumas dicas sobre regras de composição na fotografia.

 

Saiba mais sobre elementos formais na fotografia em: www.dicasdefotografia.com.br

 

 OBJETIVAS:

A objetiva é o conjunto de lentes por onde a luz incide para que a imagem seja formada dentro da câmera. Ela corrige aberrações cromáticas, possui bom poder de definição da imagem, permite um contraste adequado de tons, possui uma distância focal e também permite ajuste de foco de modo com que o observador possa usufruir das suas possibilidades e faça o seu devido uso.

As objetivas dividem-se em normais, teleobjetivas e grande angulares. As normais, de maneira geral, possuem uma distância focal praticamente igual à diagonal de um quadrado cujo lado tem tamanho semelhante ao lado maior do sensor full frame. São chamadas assim também porque a imagem projetada tem distorção muito próxima da distorção perspectiva do olho humano.

As teleobjetivas têm como característica mais marcante a produção de imagens ampliadas e um aparente “achatamento” nos planos da imagem. Isto porque elas são produzidas para observar ou fotografar objetos numa distância mais elevada, e assim as distâncias relativas entre os objetos se tornam menores.

Já as grandes angulares apresentam distâncias focais menores que a diagonal da imagem projetada, tendo, portanto, um grande campo de visão. Este campo pode ser desde a ordem de 180°, como em objetivas “olho de peixe”, como 60°.

ver mais em: pt.wikipedia.org

Prestem atenção nesses três mosqueteiros: Iso, obturador e diafragma

O Iso é o grau de sensibilidade da película fotosensível à luz. Por convenção, a fotografia digital usa a mesma escala de sensibilidade da fotografia tradicional, embora o sensor de imagem da câmera digital responda reagindo de modo diferente da película fotográfica. A escala do padrão ISO, definido pela norma ISO 5800:1987,funde dois padrões existentes previamente: o padrão norte-americano ASA (aritmético) da American Standards Association, e o padrão alemão DIN (logarítmico) do Deutsches Institut für Normung. Na descrição da sensiblidade do filme, primeiramente registra-se a escala aritmética, e posteriormente a logarítmica, por exemplo: ISO 100/21°.

Para ver a escala completa do ISO acesse: pt.wikipedia.org

 

Diafragma

O diafragma controla a quantidade de luz que entra pela objetiva. Se fizéssemos uma comparação com o olho humano o diafragma corresponderia à pupila enquanto o obturador, seria a pálpebra.A abertura do diafragma também determina a profundidade de campo. Não podemos esquecer que quanto maior a abertura, menor a profundidade de campo. Quanto menor a abertura, maior a profundidade de campo.

Obturador

Já o obturador (a pálpebra) é a “janela” responsável pela velocidade pela qual a luz entra pela objetiva. É o mecanismo que tem dentro da câmera. Quanto mais tempo o obturador ficar aberto, mais luz vai entrar. A velocidade do obturador é mostrada em segundos ou frações, por exemplo, 1/10 significa um segundo dividido por 10. A função “B”, quando permite que o obturador fique aberto o tempo em que você ficar pressionando o botão. A gente muda a velocida e a quantidade de luz de acordo com o resultado que queremos obter.

Abaixo vemos a relação entre obturador, Iso e diafragma para as câmeras Nikon e Canon:

dica

 

No site: camerasim.com, você pode simular  os efeitos que o diafragma, o obturador e o Iso causam na imagem.

 

Agora vamos olhar nossa companheira, a câmera. Todas as câmeras têm uma estrutura básica que permanece por séculos. Vamos entender como funciona essa estrutura. Abaixo vemos sua estrutura em comparação ao olho humano:

câmara

 

Ela é divida em duas grandes partes que é o corpo e a objetiva.

Abaixo, uma imagem detalhada de uma câmera digital atual.

foto_da_camera

Na próxima aula teremos uma saída fotográfica na Rocinha! Não esqueçam: dividiremos a turma em dois horários já dito em sala de aula. Para mais informações a respeito da próxima aula, acesse nosso grupo no facebook.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s